Ligar os Pontos

Apesar de ensinar a 170 alunos numa escola do terceiro ciclo do ensino bá;sico para estudantes talentosos, em Brooklyn- Nova Iorque, Chris Casaccio tenta encontrar formas para interligar a arte, o cinema, a literatura, a história e a escrita. Relacionar-se com cada aluno torna-se um desafio, mesmo para uma professora dedicada como ela o é.
Os alunos de Chris Casaccio utilizam a literatura, o cinema e a escrita para poderem entender o que se passou durante a Grande Depressão.

 

Os alunos interligam os temas que existem em comum na literatura, no cinema e na história.

Chris Casaccio trabalha com poucos recursos. A sua turma de inglês na IS 383 está concentrada; as suas exigências para com os alunos são claras: ler, ouvir, pensar, discutir e escrever. Trabalha arduamente na preparação detalhada das suas aulas e esforça-se por incentivar cada um dos seus alunos. Os seus alunos vêm de várias áreas da cidade de Nova Iorque para frequentarem esta escola, especialmente dedicada aos talentosos e, por isso, ela quer que os alunos se esforçem tanto como ela. Um aluno—o Michael—conseguiu interligar a unidade de estudo sobre a Grande Depressão duma forma que surpreendeu não só a professora, como também os seus colegas.

 

 


Chris começou por pegar no romance “No Promises in the Wind” para fazer a ligação entre o currículo de inglês e o das ciências humanas e sociais. Ela espera que este romance, que interliga questões da adolescência com a história, possa captar o interesse dos seus alunos. Há vários temas neste romance que a professora gostaria que os alunos se apercebessem. Será que alguns alunos se irão aperceber de quão afortunados são por terem a amizade e o apoio do seus entes queridos? Será que há outros que se irão se identificar com as tensões entre pais e filhos, descritas no livro? Será que interiorizarão os actos de caridade descritos no livro e lembrar-se-ão daqueles que têm menos do que eles? Será que irão aprender a lição da lealdade?

Leia o resumo de “No Promises in the Wind”.

Clique nas imagens para ver quais os esquemas visuais que Chris está a utlizar com os seus alunos.



Leia o enunciado da prova de redacção de Chris:

Leia exemplos das redacções:

 

Por vezes, Chris fica desorientada quando sente a necessidade de dar “feedback” e quando precisa de pensar em novas estratégias para tantos alunos. Ao folhear o monte de redacções que tem na secretária, as notas finais que escreveu na lista parecem umas pintinhas, umas formigas que caminham ordeiramente numa fila sem fim. Chris sabe que aos poucos tanto ela como os seus alunos vão conseguir ver todos os aspectos do assunto.